Final Show Set-Up

English:

About two months of continued preparation were condensed into almost 3 days of intense work in the final assembly of our long-awaited final show. I am presenting 3 great pieces that work independently within the research concerning personal rituals, self-discovery and water, and together form narratives concerning cleansing, transformation, and coagulation (materialization), which are considered 3 properties of water.

Before delve into the assembly, the problems faced and the adjustments I made to accommodate my original ideas, I have to give my formal thanks to my beloved partner, Alexandre Szolnoky, who was by my side supporting me from the beginning of this process in every crazy idea that I had, always willing to help. I would not have achieved this quality work without him. Thank you, my love, thank you for sharing this path with me.

IMG_8221

Installation: Flood, 2018
video installation, projection in mirror and water
(Cleansing)

I knew that this would be the most difficult piece, as it is practically assembled in the place of the exhibition with adaptations imposed by the conditions of light and space. After bringing and setting up the whole structure in space I started working on the screen. At first, I wanted a wide surface to have more space for the image, so I hanged and mended 3 layers of paper. But soon I realized that due to the clarity of the room and the transparency of the paper I ended up losing a lot of light and the projection was weak. My first change then was to leave the width and project the image on a strip of paper with 2 layers, with one exactly over the other, making the surface less translucent and the image more powerful. Even with the less translucent paper the image on the back facing the room’s door still has reflections of light.

Another issue of this work was to find the right angle between the projector and the basin with the round mirror inside. The more open the angle of incidence of the projector’s light the more centered mirror the image projected on the paper would be, becoming powerful, but at the same time, it got smaller and more distorted. With the projector placed higher the image becomes smoother, but on the other hand, it gets bigger and less distorted, allowing the video to be more clear. After doing a lot of tests I opted for the second option, I think that the bigger projection has a subtle impact and I also think it is very important for people to identify the elements of the video (face, water, paint), even if I  had to give up the centralized image on the paper. Luckily the support I built was meant to bring me these options and possibilities for experimentation within the exhibition environment at the time of assembly.

After I got to that set-up, one of the things that kept bothering me was that some of the images were ‘leaking’ from the sides of the paper. I did several tests trying to find the perfect angle, until I talked to Ed and realized that I could never find a completely perfect angle, because in this installation I’m working with mirrors, water and elements that are unstable and this work is about it, this instability, fragility, that comes after cleaning. So I realized that the image leak on the ceiling actually complemented the installation, bringing this new layer of uncertainty.

I also made a few adjustments in the pump timing, reducing the interval between a gust of water and another, this made the image more agile and interesting. One of the most positive unexpected results of this assembly was the subtle effect of the projected over the mirror inside the basin.

My last big adjustment referred to the image that is being projected, I was having a bit of difficulty in present my entire face, so I made another edition with more abstract and closer face cuts. When testing this video inside the premises I realized that the image was lost and completely abstract, then I realized the importance of using my face in this work, it needs a human reference and relates with the blind self-portraits. So I resumed my initial image.

Experience: Rio # 2
360 ° digital video for VR Glasses_11min, sound.
(Transformation)

Due to the space and the organization of the real objects in the room I had to move a little the place destined to Virtual Reality. I still mounted it near the window, but not centralized so I could have more space to move inside the room and the pieces wouldn’t clash. I believe that I succeeded in the decision to attach the glasses and the mobile phone to the ceiling, this brought a better mobility to the viewer as well as solving the wire tangle problem that I had when I presented this work for the first time in the POP-UP Impromptu exhibition in March. Another good choice was regarding the swivel chair, it has added security for the viewers to explore the perceptions of the 360 video comfortably.

Activity: Fluid
Series of Self-Portrait Fluid Blind and Performance
(Coagulation)

At first, I had thought about organizing this work with the table and all the drawings in the background. After trying these dynamics we realized that the space near the window was too restricted and small for the VR, so my first option was not to leave the table exactly in the middle of the wall but rather a little displaced. Talking to Jonathan, he suggested that I could put the table diagonally on a corner, opening the way for people to come closer to see the blind self-portraits and give more room for the VR. I liked this alternative very much because it not only presents a large white space in the background (which I will fill with drawings made throughout the exhibition) but also removed the Cartesian sense of “office” and authoritarianism that a table exactly in the back of the room can represent.

One of the biggest difficulties we had in this work was to hang the double-sided mirror with nylon thread in an effective way and that it would not slip. After many attempts, I believe we were effective. Each object presented at the table brings a great effective and narrative value, being part of the material that I use in the studio to make my drawings. In addition to the watercolors that Ale brought and traveled around the world, I present a bottle of water, traditional clothes sold in Brazil and ceramic objects made by me and used to dissolve the drawings with water. I present as a weight to the mirror a black tourmaline in the middle of the table, because this crystal has the property of cleaning environments and is part of my collection of crystals that accompany me from Brazil.

Exactly on the opposite wall, near the entrance door, I put the full body fluid portraits. I was very insecure in presenting these drawings, perhaps because it is a new research and they were very close to me. So, by talking to Jonathan, I chose to put them in a more careless way and overlapping each other, as if they were part of my studio and an ongoing research. They are on the side of the entrance door, but due to the initial highlight of the installation in the middle of the room, they are more noticeable at the exit, thus representing perhaps the future steps of this research and these pieces, giving a feeling of work in progress to the viewer.

 

Português:

Quase 2 meses de preparação continua se condensaram em praticamente 3 dias de trabalho intenso na montagem final do nosso tão aguardado final show. Eu estou apresentando 3 grandes trabalhos que funcionam independentemente dentro da pesquisa referente aos rituais pessoais, auto descobrimento e a água, mas que juntos formam narrativas referentes a limpeza, transformação e coagulação (materialização), que são consideradas 3 propriedades da água.

Antes de transcorrer sobre como foi a montagem, os problemas e os ajustes que fiz às minhas ideias originais eu preciso colocar aqui um agradecimento formal ao meu amado parceiro Alexandre Szolnoky, que esteve ao meu lado me apoiando desde o início desse processo em cada idéia maluca que eu tive, sempre disposto a ajudar. Não teria conseguido esse trabalho de qualidade sem ele. Obrigada meu amor, obrigada por partilhar dessa caminhada comigo.

Instalação: Inundação, 2018

video instalação, projeção em espelho e água  

(Limpeza)

Eu sabia que esse seria o trabalho mais difícil, pois ele é praticamente realizado no local de exibição com adaptações impostas pelas condições de luz e de espaço. Depois de trazer e montar toda a estrutura no espaço comecei a trabalhar o suporte de exibição. A principio queria uma superfície larga para ter mais espaço para a imagem, para isso tive que pendurar e emendar 3 camadas de papel. Mas logo percebi que devido à claridade da sala e a transparência do papel eu acabava perdendo muita luz e a projeção ficava sem força. Minha primeira alteração então foi a de abandonar a largura e projetar a imagem dentro de uma tira de papel com 2 camadas, com uma exatamente sobre a outra, tornando a superfície menos translúcida e a imagem mais potente. Mesmo com o papel menos translúcido a imagem no verso que está de frente para a porta da sala ainda apresenta reflexos de luz.

Outra questão desse trabalho foi achar o ângulo certo entre o projetor e a bacia com o espelho redondo. Quanto mais aberto o ângulo de incidência da luz do projetor sobre o espelho mais centralizada fica a imagem projetada no suporte, ela fica mais potente, porém ao mesmo tempo ela fica menor e mais distorcida. Com o projetor mais alto a imagem fica mais suave, mas por outro lado ela fica maior e menos distorcida, dando para ver melhor o vídeo. Depois de fazer muitos testes eu optei pela segunda opção, acho que a projeção maior tem mais impacto e também acho muito importante que as pessoas consigam identificar os elementos do vídeo (o rosto, a água, a tinta), mesmo tendo de abrir mão da imagem centralizada do papel. Felizmente o suporte que eu construí foi feito para me trazer essas opções e possibilidades de experimentações dentro do ambiente expositivo na hora da montagem.

Depois que cheguei a esse set-up, umas das coisas que continuavam me incomodando era que um pouco da imagem vazava nas laterais do papel. Eu fiz vários e vários testes tentando achar o ângulo perfeito, até que ao conversar com o Ed percebi que eu nunca conseguiria achar um ângulo completamente perfeito, nessa instalação estou trabalhando com espelhos, água e elementos que são instáveis e esse trabalho é sobre isso, essa instabilidade, fragilidade, que se dá com a limpeza. Assim percebi que as imagens que vazam para o teto na verdade complementam a instalação trazendo essa nova camada de incerteza.

Também fiz uns breves ajustes no tempo da pump, diminuindo o intervalo de tempo entre um jato de água e outro, isso tornou a imagem mais ágil e interessante. Um dos resultados inesperados mais positivos dessa montagem foi o efeito sutil que a imagem projetada faz sobre o espelho na bacia.

Meu último grande ajuste e experiência foi referente a imagem que é projetada. Eu estava com um pouco de dificuldade em apresentar meu rosto inteiro, por isso fiz uma outra edição com outros recortes do meu rosto, mais aproximados, mais abstratos. Ao testar esse vídeo dentro das instalações percebi que a imagem se perdia e ficava completamente abstrata, ai então que eu vi a importância de usar meu rosto nesse trabalho, ele necessita de uma referência humana e se relaciona junto com os autorretratos cegos. Por isso voltei para a minha imagem inicial.

Experiência: Rio #2

360° digital video for VR Glasses_11min, sound.

(Transformação) 

Devido ao espaço e a organização dos objetos reais na sala eu precisei deslocar um pouco o local destinado a Realidade Virtual. Ainda montei ele perto da janela, mas não centralizado, para poder ter um meio caminho para movimentação dentro da sala e os trabalhos não ficassem muito juntos. Acredito que eu fui bem-sucedida na decisão de prender o óculos e o carregador de celular no teto da sala, isso trouxe uma mobilidade melhor ao espectador, além de resolver o problema referente aos enroscamentos do fio que eu tinha tido quando apresentei esse trabalho pela primeira vez na exposição POP-UP Impromptu em março. Outra boa escolha foi referente a cadeira giratória, ela trouxe uma segurança a mais para os espectadores, podendo explorar as percepções do vídeo 360 com maior facilidade.

Atividade: Fluida

Serie de autorretratos cegos fluidos e Performance

(Coagulação)

De início eu tinha pensado na organização deste trabalho com a mesa e todos os desenhos ao fundo. Após tentar essa dinâmica percebemos que o espaço perto da janela ficava um pouco restrito e preso para a realidade virtual, então minha primeira opção foi a de não deixar a mesa exatamente no meio da parede e sim um pouco deslocada. Conversando com o Jonathan ele me sugeriu colocar a mesa na diagonal em uma quina, dando abertura para que as pessoas se aproximem mais para ver os autorretratos cegos e dando mais espaço para a VR. Eu gostei muito dessa alternativa, pois além de apresentar um grande espaço branco ao fundo (o qual irei preenchendo de desenhos feitos ao longo da exposição) esse posicionamento tirou a sensação cartesiana de “escritório” de autoritarismo que uma mesa exatamente no fundo da sala pode apresentar.

Uma das maiores dificuldades que tivemos nesse trabalho foi a de pendurar o espelho dupla face com fio de nylon de uma forma efetiva e que não escorregasse, depois me muitas tentativas acredito que fomos efetivos. Cada objeto apresentado na mesa trazem um grande valor afetivo e narrativo, fazendo parte do material que eu uso no estúdio para fazer os desenhos. Além das aquarelas em bastão que o Alê trouxe e já viajou o mundo inteiro, eu apresento uma garrafa de água, panos tradicionais vendidos no Brasil e objetos de cerâmica feitos por mim e usados para dissolver os desenhos com água. Apresento como peso para o espelho uma turmalina negra no meio da mesa, pois essa pedra tem a propriedade de limpeza dos ambientes e faz parte da minha coleção de cristais que me acompanham desde o Brasil.  

Exatamente na parede oposta a que estão os desenhos cegos de rosto, perto da porta de entrada coloquei os autorretratados fluidos de corpo inteiro. Eu estava muito insegura em apresentar esses desenhos, talvez por ser uma pesquisa mais nova e eles serem muito íntimos para mim. Por isso, conversando com o Jonathan optei por colocá-los sem muito destaque e sobrepostos, como se fossem parte do meu estúdio e de uma pesquisa em andamento. Eles estão do lado da porta de entrada, mas devido ao destaque inicial da instalação no meio da sala eles são mais perceptíveis na saída do espectador, representando assim talvez os futuros passos dessa pesquisa e desses trabalhos, dando uma sensação de trabalho em andamento.

 

Advertisements

2 thoughts on “Final Show Set-Up

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s