Critical Evaluation and future development (Internal Dive)

English:

I started this master’s degree with the interest in developing my artistic practice and from this, I could start to build my voice within the context of contemporary art.

In the first year of the course, I was still very involved with the end of my Brazilian MA, for which I wrote a dissertation on light as an autonomous language, based on the works of some Brazilian artists. I regret a little that I faced this adventure of doing two master’s degrees together, I think I should have enjoyed more and dared to experiment during my first year of Camberwell. But at the same time, I think it is very important to have had this academic experience, of being here in London and attending the discussions and lectures of the course. I had access to books, thoughts, and knowledge that I would never have researched in Brazil. I believe that even in blood, sweat, and tears the first year working in both masters was very good for my academic and personal research and brought me the approval with merit in the Brazilian MA.

I thought that my practical research was on the path of light as an autonomous language in art and concerning experiments in that subject, but I could not move against my instincts and stop producing moving images. Thus, in my research paper, I presented a bias not yet explored about the work of the artists Mirella Brandi x Muep Etmo, and brought their light and sound performances to a context closer to mine, relating them to the expanded cinema. In this research I realized that I was more interested in how these expanded film pieces have the power to alter the perception and possibly the consciousness of the viewers, causing them to create personal narratives than to merely analyze technically how artists work with the elements.

With this mindset I began to think more deeply about my practice, realizing that my artistic interests went beyond the techniques or materials and penetrated the look, the perception, the time, the effective memory and the self-discovery. Perhaps it took me a while to accept these interests, for having difficulty in seeing the value of such personal and subjective subjects within the context of contemporary art, especially in the academical environment. But I feel that I needed to be honest with myself at that moment, and look into myself, to my inner self, and to put these insights in my pieces. Seeking above all to value my practice, my actions, and trajectory to build and discover my artistic voice. So I explored the personal narratives and rituals that I realized were part of my practice.

For a long time during the course, I have come across anguishes and a certain pressure regarding political art and how I could (or should) express my positions in my artistic work in a true way, not against my context and my perception. Reflecting a lot about it, I realized that my work already has a political position. I believe that time, contemplation and art as a form of self-knowledge are relevant issues within our contemporary society. I intend that the public who is in front of my work to be “transported” to another time, and possibly for a few seconds to have the opportunity to listen/look at themselves.

Water has played a very important role in my practice since before the course, but in the earlier days it was more intuitively, I was attracted to the fluidity, movement, colors. After the thinking about it, I realized that it had a much greater importance than just “being an effect or gimmick”. This element brings its strength, its uncontrolled character, its transformation potentiality; it represents the life, the regeneration, but at the same time the dissolution.

Understanding the element in its totality of manifestation and possibilities (it can be liquid, solid and gaseous), in this limit between creation and destruction can introduce a certain fragility and density in my work. I feel that through the water I can more easily access and share my intimate, feeling safer to be vulnerable.

In the final show I present a body of 3 works that work separately, but together they construct a narrative within the context of small personal rituals and water. Installation: Flood, consists of a projection on a rotating mirror that distorts the image by the water contact, this installation represents the character of purification and cleansing by water. The Experience: Rio # 2, consists of a 360 video in a virtual reality set-up in which, as in a sacred bath, I pour paint and water over the camera (viewer) in 3 different seasons, representing the transformative property of water. The Activity: Fluid is a series of blinded self-portraits distorted by water and as a continuous action I will continue this work during the exhibition, inviting the viewers to join and perform theirs, this activity is a reference to the water’s property of coagulation. Along with the blind self-portraits I also present the full-body ones, presented as if they were part of an ongoing process, representing the new studies or new paths by which I look at my image and accept myself whole.

I need to mention here that the practice of constant self-reflection proposed by the course with the use of the blog was one of the main catalysts of my inner diving that resulted in the 3 final pieces. It helped me to better integrate writing and practice, maintaining a constant dialogue with myself. This process has led me to a path of a greater understanding of who I am as an artist and also as a person.

Over the last few years, I have also gradually learned that I can not divide my “professional video” practice from the artistic. The two, and all my other wills and discoveries are interrelated, and I intend to reinforce this further in the future. I want to work with videos for artists and for galleries, using my knowledge of documentary and art in the recording of the creative process of other artists and exhibitions. I would love to collaborate with the historical record of contemporary art through these videos.

In addition, I realized, even more, my ability to produce, organize exhibitions and help others. I have a great interest in what others are doing, getting to know their narratives and sharing my knowledge. So I believe that my path will still cross with that of the academy, as in something more formal or practical workshops. In a few years, I intend to get involved in a Ph.D.

Regarding my practice, considering that I have been working with pieces about my self-knowledge, I can say that I will not stop producing and continue trying to show my work in as many places as possible. I think the first step towards this is trying to get into artistic residencies around the world.

For me, things are still very uncertain, but I know that even if I continue in Europe or return to Brazil I will take the years that I have lived in this process with me. And I’m increasingly learning to love my Artist-ETC profile.

Português:

Eu iniciei essa jornada de mestrado com o interesse de desenvolver a minha prática artística e com isso  começar a construir a minha voz dentro do contexto da arte contemporânea. 

No primeiro ano do curso eu ainda estava muito envolvida com o final do meu mestrado acadêmico do Brasil, para o qual escrevi uma dissertação sobre a luz como linguagem autônoma, com base nos trabalhos de alguns artistas brasileiros. Me arrependo um pouco de ter enfrentado essa aventura de fazer dois mestrados juntos, acho que deveria ter aproveitado e experimentado mais o meu primeiro ano de Camberwell. Mas ao mesmo tempo acho muito importante ter tido essa experiência acadêmica, de estar aqui em Londres e frequentar as discussões e palestras do curso. Tive acesso a livros, pensamentos e conhecimentos que nunca teria se pesquisasse apenas no Brasil. Acredito que mesmo entre sangue, suor e lágrimas o primeiro ano trabalhando nos dois mestrados foi muito bom para a minha pesquisa acadêmica e pessoal e me trouxe a aprovação com mérito no mestrado brasileiro. 

Achava que a minha pesquisa prática seguia para o caminho da luz como linguagem artística autônoma e para experiências com essa matéria, mas não consegui ir contra os meus instintos e parar de produzir imagens em movimento. Assim, no meu research paper, eu apresentei um viés ainda não muito explorado para o trabalho dos artistas Mirella Brandi x Muep Etmo, e trouxe as performances de luz e som deles para um contexto mais próximo ao meu, relacionando-as com o cinema expandido. Nessa pesquisa percebi que estava mais interessada em como esses trabalhos de cinema expandido têm o poder de alterar a percepção e possivelmente a consciência dos espectadores, fazendo-os criar narrativas pessoais, do que analisar tecnicamente como os artistas trabalham com os elementos.

Com isso comecei a pensar mais profundamente a respeito da minha prática, percebendo que meus interesses artísticos ultrapassavam as técnicas ou materiais e adentravam o olhar, a percepção, o tempo, a memoria afetiva e o auto descobrimento. Talvez eu tenha demorado um tempo para aceitar esses interesses, por ter dificuldade em valorizar esses assuntos tão pessoais e subjetivos dentro do contexto da arte contemporânea, principalmente dentro da academia. Mas sinto que eu precisava ser honesta comigo nesse momento, olhar para meu interior, para meu íntimo, e me colocar nos trabalhos. Buscando acima de tudo valorizar a minha prática, minhas ações e trajetória para assim construir e descobrir a minha voz artística. Por isso, explorei as narrativas e os rituais pessoais que percebi que faziam parte da minha prática.

Por muito tempo durante o curso eu me deparei com angústias e cobranças a respeito da arte política e como eu poderia (ou se eu deveria) expressar meus posicionamentos dentro do meu fazer artístico de uma forma verdadeira dentro do meu contexto e da minha percepção. Refletindo muito a respeito percebi que meu trabalho já apresenta um posicionamento politico. Acredito que abordar o tempo, a contemplação e a arte como forma de autoconhecimento são assuntos relevantes dentro da nossa sociedade contemporânea. Eu intenciono que quem esteja diante do meu trabalho seja “transportado” para um outro tempo, e que possivelmente por alguns segundos tenha a oportunidade de ouvir/olhar para si.

A água tem um papel muito importante na minha prática desde antes do curso, mas anteriormente era de forma mais intuitiva, eu era atraída pela fluidez, pelo movimento, pelas cores. Depois das reflexões comecei a perceber que ela tem uma importância muito maior do que apenas “apresentar um efeito”. Esse elemento traz a sua força, seu caráter de descontrole, a sua potencialidade de transformação, representa a vida, a regeneração, mas ao mesmo tempo a dissolução. Compreendendo o elemento na sua totalidade de possibilidades da manifestação (ele pode ser liquida, sólida e gasosa) nesse limite entre a criação e destruição posso apresentar uma certa fragilidade e densidade no meu trabalho. Sinto que através da água consigo mais facilmente acessar e compartilhar o meu íntimo, me sentir mais segura para ser vulnerável.

No final show eu apresento um corpo de 3 trabalhos que funcionam separadamente, mas que juntos constroem uma narrativa dentro do contexto dos pequenos rituais pessoais e da água. A Instalação: Inundação, consiste em uma projeção sobre um espelho giratória que distorce a imagem pelo contato da água, esta instalação representa o caráter de purificação e limpeza pela água. A Experiência: Rio #2, consiste em um vídeo 360 em um set-up de realidade virtual no qual, como em um banho sagrado, eu jogo tinta e água sobre a câmera (espectador) em 3 estações diferentes, representando a propriedade de transformação da água. A Atividade: Fluida é uma série de autorretratos cegos distorcidos pela água e como uma ação contínua continuarei fazendo o trabalho durante a exposição e convidarei os espectadores a se juntarem a mim para realizaram os seus, essa atividade é uma referência a propriedade de coagular (materializar) da água. Junto com os autorretratos cegos de rosto também apresento os de corpo inteiro, apresentados como se fossem parte de um processo em andamento, representando os novos estudos ou novos caminhos pelos quais eu me olho e me aceito por inteira.

Não posso deixar de colocar aqui que a prática de autorreflexão constante proposta pelo curso com o uso do blog foi uma das grandes responsáveis pelo meu mergulho interior que resultou nas 3 grandes obras finais. Ele me ajudou a integrar melhor a escrita e a prática, mantendo um diálogo constante comigo mesma. Esse processo me levou para o caminho de um maior entendimento de quem eu sou como artista e também como pessoa.

No decorrer dos últimos anos eu também fui aos poucos aprendendo que não posso dividir a minha prática “profissional do vídeo” da artística. As duas, e todas minhas outras vontades e descobertas, estão interligadas e relacionadas e pretendo reforçar isso ainda mais no futuro. Quero trabalhar com vídeos para artistas e para galerias, usando os meus conhecimentos de documentário e arte no registro do processo criativo de outros artistas e de exibições. Gostaria muito de colaborar no registro histórico da arte contemporânea atual através desses vídeos. 

Além disso, percebi mais ainda a minha aptidão por produção, organização de exposições e de ajudar a ideia dos outros, tenho um interesse muito grande no que os outros estão fazendo, em conhecer suas narrativas e em dividir o meu conhecimento. Por isso eu acredito que meu caminho ainda vai cruzar com o da academia, seja em algo mais formalm seja em workshops práticos. Daqui a alguns anos pretendo me envolver em um PhD.

Com relação a minha prática, levando em consideração que eu venho trabalhando com peças a respeito do meu autoconhecimento, posso dizer que não vou parar de produzir, experimentar e continuar tentando mostrar meu trabalho no máximo de lugares possíveis. Acho que um primeiro passo para isso é tentar entrar em residências artísticas pelo mundo.

Para mim, as coisas ainda continuam muito incertas, mas sei que mesmo se eu continuar na Europa ou voltar para o Brasil levarei comigo os anos que passei nesse processo. E estou cada vez mais aprendendo a amar o meu perfil de Artista-ETC.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s