Brother, 2015-2018 (off the Radar)

English:

The Off The Radar exhibition was held on May 3-13, 2018 at the Visual Arts Gallery UCSD (Visual Arts Gallery UCSD)

The invitation to participate in this exhibition came to me at the end of 2017. The theme was “Off the Radar”, with somewhat loose concepts , but at the same time related to the political situation of Brazil and the contemporary world, such as: ” President Temer’s foreign policy / pirate technologies / agreements made without legitimacy / Brazil and his regime of invisibility / explicit poverty lived day by day implicitly / no one wants to run for president, everyone hiding off the radar/hacker policy that cannot be found … / implicit racism and machismo exercised off the radar/radio internet connections that are left over from traditional connections / hidden satellites/spy planes that are not captured / … “

I started having a lot of problems with this themes. As I have posted here on the blog a few times, I have very great reservations related to art-politics, especially with more explicit work, made to “shock” or to raise public awareness in a brutally didactic way. In my view, political artworks are more effective if they are subtle and sensitive, touching the viewer in deeper places such as is shown in the work of the Colombian artist Doris Salcedo. That’s why I started to wonder where those questions raised by the curators affected me personally and where I felt safe to put my voice. Yes, I have been through situations that are unfortunately common to our reality, implicit and explicit machismo and abuse of power, among others, but I felt that I could make a better use of this exhibition not speaking directly about what I lived, but to look at invisible people, which society often chooses not to look at, either out of fear or out of dread regarding the different.

My older brother Fernando is a severe autistic. And this is not like what is presented in some romanticized films, with the introspective genius autistic with some communication and social adjustment problems. Fe (as we call Fernando) walks, understands some direct orders, makes some sounds, but does not speak and is compulsive for food. When he is in a good mood and not upset, he is very communicative, especially with men, and uses his hands and touch for this purpose. No, he has no knowledge of sign language, this is not a physical disability but a cognitive condition, so he uses his hands and fingers to have physical contact with others. Often people become uncomfortable, and a bit afraid of him. He is 36 years old, big, fat and bald, but his face is almost like a baby’s and he never hurt anyone intentionally.

During my growth, I felt a bit of anger at him, perhaps from the attention he received from my father (and still receives) or perhaps from the connection and complicity I sought from an older brother, that I never had. Over time I have been trying more and more to have some closeness, trying to communicate and understand how he perceives things around.

In 2015 I started an artistic research related to my brother. Naively I wanted to do a video that tried to present what his vision of the world was, as my brother sees it. After reflecting and researching a little I realized that I could never actually represent his vision, it would always be my interpretation of what I think he sees. Then I realized that even though I was intimate with him, even though I lived (mostly) in the same house and lived all the phases of his condition (crises and rest), I had never really looked at my brother and he was still an enigma for me. So that work unfolded in the way I see my brother.

I started to look, draw, photograph, meeting him. The more I ventured into this research, the more it continued to be an enigma. With a great photographic material and with the theme of puzzle I developed 3 works.

Olhares (Visions), 2015
Single Channel video. The video was made from the photos, in a kind of “mask”, revealing in the photos some cut-out parts of his face.

 

About My Brother # 1, 2015
A puzzle made of wooden blocks that referred to the objects he uses at the institution Friends of the Autistic (AMA) where he spends most of his time. The blocks are irregular and if assembled correctly complete 6 photos of him. Without any reference, visitors to the exhibition were invited to interact and try to form the images. The photos are black and white and somewhat similar to each other, making the assembly act very difficult: and that was the intention because that’s how I feel about it.
12366384_10207660155834382_4428547345756893453_n

About My Brother # 2, 2015

An installation with 4 old TVs that together formed the photos completely. It was made from a video clipped into 4 parts and converted into a video and a DVD for each tv. I did not do any sophisticated programming so that the DVD players were desynchronized with each other, because I wanted the images to get more and more mismatched and shuffled over time, representing the puzzles and the communication failure.

Now, in 2018, with the idea of working with the theme of the ‘invisible ones’ for the Off the Radar, I revisited this research and made an updated video with the photos. I realized that before, even though I talked a lot about the need to look at my brother, the work I presented did not show much of him, his face was cropped and became abstract. So, in this new work, along with the cutouts and “breaks” in the image that represent the lack of communication, I decided to include more images of his face.

Captura de Tela 2018-06-16 às 12.06.44.png

Captura de Tela 2018-06-16 às 12.14.50.png

Brother, 2018 1min 46sec, 2015 – 2018
Single Channel video (Full HD – mp4, H264 – silent – loop)
“Abstract:
 
This is the result of a photographic research focused on the intimate moments of introspection and euphoria of a severe autism, who is generally avoided or invisible in a productive society. The incongruent clippings or glitches of the images represent the failure to communicate and create a way of viewing this issue.
 
(text of the curator: Jane de Almeida)
Brother is the result of a photographic research focused on the intimate moments of introspection and euphoria of a severe autism, a subject that is generally avoided or invisible in a productive society. By interweaving incongruent clippings of the images, Vic Von Poser portrays vigorous communication and at the same time its failure. “
 
Unfortunately, I could not physically be in San Diego for the assembly of the exhibition, so I presented some options as to how it could be mounted.

“Option 1 – Projection in the Window (Projector + Movie)
Option 2 – Wall Projection (Projector)
Option 3 – Displayed from a Screen (TV) “

Projection on the wall was the chosen one, and I found it simple, elegant and very effective, bringing visibility to my invisible brother.

32214727_1808098495914493_6723852493949763584_o.jpgCaptura de Tela 2018-06-16 às 12.16.54.png

A surprise for me was the subject matter of the exhibition that came out in the academic session of the publication E-Flux, highlighting one of the frames of my video.

I miss your Fefe. Thank you for being a part of me.

Português:

A exposição Off The Radar aconteceu de 03 a 13 de Maio de 2018 na galeria de artes visuais da  Universidade de San Diego na Califórnia ( Visual Arts Gallery UCSD)

O convite para participar dessa exposição aconteceu no final de 2017. A temática era   “Fora do Radar“ (off the Radar), com as ideias eram meio soltas, mas muito relacionadas com a situação política do brasil e do mundo contemporâneo, como: “politica externa do presidente Temer /tecnologias piratas /acordos feitos sem legitimidade / brasil e seu regime de invisibilidade / pobreza explícita vivida no dia a dia de forma implícita / ninguém quer se candidatar a presidência, todo mundo escondido off the radar / política hacker que não pode ser encontrada… / racismo e machismo implícitos  exercidos off the radar / conexões de internet de rádio que sobram das conexões tradicionais / satélites escondidos / aviões espiões que não são captados /… “

Eu comecei tendo muitos problemas com esse tema. Como já coloquei aqui no blog algumas vezes, tenho ressalvas muito grandes relacionadas a arte-política, principalmente com trabalho mais explícitos, feitos para “chocar” ou para conscientizar o público de uma forma brutalmente didática. Na minha visão os trabalhos de arte politica são mais eficazes se forem sutis e sensíveis, tocando o espectador em lugares mais profundos como os trabalho da artista colombiana Doris Salcedo. Por isso comecei pensando aonde essas questões colocadas pela curadoria me afetavam pessoalmente e aonde eu me sentia segura para colocar a minha voz. Sim, já passei por situações infelizmente comuns para nossa realidade, de machismo implícito e explicito e de abuso de poder, entre outros, mas senti que poderia aproveitar essa exposição não para falar diretamente sobre o que eu vivi, mas sim olhar para pessoas invisíveis, que muitas vezes a sociedade escolhe não olhar, seja por pena ou por medo do diferente. 

Meu irmão mais velho chama-se Fernando e é autista severo. E isso não é romantizado como apresentado em alguns filmes, com o autista introspectivo e gênio com alguns problemas de comunicação e de ajuste social. O Fê anda, entende algumas ordens diretas, faz alguns sons, mas não fala e é compulsivo por alimentação. Quando está de bom humor e não é contrariado ele é muito comunicativo, principalmente com homens, e usa das mãos e do tato para esse fim. Não, ele não tem conhecimento de linguagem de sinais, essa não é uma deficiência física e sim uma condição cognitiva, então ele usa as mãos e o toque dos dedos para ter um contato físico com os outros. Muitas vezes as pessoas ficam incomodadas, desconfortáveis e tem medo dele. Ele tem 36 anos, é grande, gordo e careca, mas seu rosto é quase como o de um bebê e ele nunca machucou ninguém por querer.

Durante meu crescimento, eu sentia um pouco de raiva dele, talvez pela atenção que ele recebia do meu pai (e que ainda recebe) ou talvez pela conexão e cumplicidade que eu buscava de um irmão mais velho e que nunca tive. Com o tempo fui tentando cada vez mais uma proximidade, buscando me comunicar e entender como ele percebe as coisas ao redor.

Em 2015 eu comecei uma pesquisa artística relacionada ao meu irmão. Ingenuamente eu queria fazer um trabalho em vídeo que tentasse apresentar como era a visão dele do mundo, como meu irmão enxerga. Depois de refletir e pesquisar um pouco eu percebi que na verdade eu nunca conseguiria efetivamente representar a visão dele, seria sempre a minha interpretação do que eu acho que ele enxerga. Então percebi que mesmo íntima dele, mesmo morando (na maioria das vezes) na mesma casa e vivendo todas as fases da sua condição (crises e calmarias), eu nunca tinha realmente olhado para meu irmão e ele continuava um enigma para mim. Então esse trabalho se desenrolou em como eu vejo meu irmão.

Comecei a olhar, desenhar, fotografar, conhecer ele. Quanto mais eu me aventurava nessa pesquisa mais ele continuava um enigma. Com um grande material fotográfico e com a temática de quebra cabeça desenvolvi 3 trabalhos.

Olhares, 2015

Single Channel video. O video foi feito com a partir das fotos, em uma espécie de “máscara”, revelando aos poucos nas fotos recortadas partes do rosto dele.

Sobre meu Irmão #1, 2015

Um quebra cabeça feito de blocos de madeira que remete aos objetos que ele utiliza na instituição dos Amigos do Autista (AMA) aonde passa a maioria do tempo. Os blocos são irregulares e montados de forma certa completam 6 fotos dele, sem referência alguma, os visitantes da exposição eram convidados a interagir e tentar montar. As fotos são preto e branco e um tanto parecidas uma com as outras, tornando o ato da montagem bem difícil: e essa era a intenção, pois é como eu me sinto em relação a ele.

Sobre meu Irmão #2, 2015

Uma instalação com 4 televisores antigos que juntos formavam as fotos por completo. Foi feito um vídeo só recortado em 4 partes e transformando em um vídeo e um dvd para cada tv. Não fiz nenhuma programação sofisticada para que os aparelhos de dvd estivessem sincronizados um com os outros, pois queria que com o passar do tempo as imagens ficassem mais e mais desencontradas e embaralhadas, representado os quebra cabeças e a falha na comunicação. 

Agora, em 2018, com a vontade de trabalhar com a temática dos invisíveis para o Off the Radar, revisitei essa pesquisa e fiz um vídeo atualizado com as fotos. Percebi que anteriormente, mesmo falando muito sobre a necessidade de olhar para o meu irmão, os trabalhos que eu apresentei não mostrava muito ele, seu rosto eram recortes que acabavam se tornando abstratos. Assim, nesse novo trabalho, junto com os recortes e as “quebras” na imagem que representam a falta de comunicação, resolvi incluir mais imagens do seu rosto.

Irmão (Brother), 1min 46seg, 2015 – 2018

Single Channel video (Full HD – mp4,H264 – silent – loop)

 “Abstract:

 Este é o resultado de uma pesquisa fotográfica focada nos momentos íntimos de introspecção e euforia de um autista severo que é geralmente evitado ou invisível em uma sociedade produtiva. Os recortes incongruentes ou glitches das imagens representam a falha na comunicação e construção de um olhar.

Infelizmente eu não consegui estar fisicamente em San Diego para a montagem da exposição, então eu apresentei algumas opções de como poderia ser montado.

“Opção 1 – Projeção na Janela (Projetor + Película)

Opção 2 – Projeção na parede (Projetor)

Opção 3 – Exibido a partir de uma Tela (TV)”

Projeção na parede foi o escolhido, e eu achei simples, elegante e muito eficaz, trazendo visibilidade para o meu irmão invisível.

Uma surpresa para mim foi a matéria sobre a exposição que saiu na sessão acadêmica do E-Flux, destacando um dos frames do meu vídeo.

Sinto saudades suas Fefê. Obrigada por fazer parte de mim.

Advertisements

2 thoughts on “Brother, 2015-2018 (off the Radar)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s