Digital Bubbling?

English:

In my days in São Paulo, I took the opportunity to see the eighteenth edition of FILE São Paulo 2017 (International Festival of Electronic Language). This is a festival known in the São Paulo art circuit, because of its price (free) and its location (in the middle of the Paulista Avenue). Its proposal is to bring to large public works that explore the possibilities in the merging of art and technology, showing from interactive or contemplative installations to animations and video game games. It can be said that this festival is responsible for the democratization of digital art and the valorization of art and technology that still today, in Brazil and in the world, is still on the edge of the contemporary art scene.

In previous editions I have classified this festival as the “São Paulo Disneyland of Art and Technology” because it is full and very attractive to the public interested in  “pushing buttons”, “taking selfies” and “interacting in any way”, many times the festival does not care about building a relationship between public, art and the artistic or social interests of the works. It becomes mere entertainment. But even so, I can not deny the importance of artistic works being viewed by as many people as possible and if art is good I trust it will touch the public at some level, arousing interest in research. Is this a very utopian desire for art in general?

In this edition, the festival presented 360 works of artists from all over the world spread throughout the city. And also brought works for two cities outside the Rio/ São Paulo circuit: Vitória City – ES e São Luiz City – MA. Its theme was: “The Bubbling of Universes” and presented the curatorship of Paula Perissionotto and Ricardo Barreto. In the curatorial text (placed in the exposition leaflet and on the website) the curators defend that:

“With the emergence of networks, there is a multiplicity of events that have never been seen before – the unbridled proliferation of information taking place on a gigantic scale – and data production leading to unprecedented archiving, which calls for the creation of thousands of intelligent devices. There is an exponential increase of information that engages everyone in an incessant and sweeping flow of concepts, images, opinions, desires, etc. No one is immune to this contamination. No discipline remains within its limits. Worlds and tendencies snatch us in an indeterminate plurality. All and all are inflating like a red giant about to explode. The universe that was once immense now ends up small in the face of the multiverse. We live in the age of bubbling universes “

I personally felt that this year the festival was more contemplative, with fewer works that required a direct interaction of the viewer. In addition to that, I had the feeling that main space of the festival was “empty”, even a little melancholy. This exhibition made me question a lot about the relation of the curatorial text to the event itself, how much the two complemented each other, and how much it is just a “justification, whatever.” Unlike what has put in the text above, I did not notice any discussion about the amount of data and formulations of distinct universes, but rather many references to our Universe. I felt almost a compliment to the human with works that “breathe”, “feel ashamed” of their bad side, clothes that were made based on our corporeal systems as well as works that encourage you to “fit” into a pattern or propose a human body consciousness. The work that caught my attention was a sculpture that presented the ephemeral visuality of sound through soap bubbles.

Perhaps what has brought me most to the bubbling of universes has been the myriad virtual reality screens and glasses, which in fact end up engaging both the viewer who transports him to another place in an individual experience, causing the viewer to have a new relationship of space, time and body.

Some works that stood out:

Amy Karle (USA) – Internal Collection

“The selections from the” Internal Collection “represent the internal anatomy in external wearable form. Casting anatomy, fashion and technology, each piece is created by hand and with digital manufacturing technologies “

Daniel Jolliffe (Canada) – Perfect View

“Perfect View” is an interactive sculpture that personifies human desires to always show their best side to others. The viewer finds a vessel that is severely damaged and when approaching the piece, the vessel begins to rotate, adjusting its position so as to always show a view of its undamaged side “

Dorette Sturm (Netherlands) – The Breathing Cloud

“The Breathing Cloud” is a monumental floating organism. The work transforms space by its movement, light, and rhythmic breathing. The technology is designed so that the strong LED modules and the mechanism give support to diffuse breathing. It gets physically bigger and smaller, and hugs with its brighter and lighter space “

Gwendaline Bachini (France) – Animo # 2 – Flux

“Animo # 2 – Flux” is the second interactive installation of the ANIMO cycle. It is configured as a holographic light cage. Visitors are invited to manipulate the lantern and, in doing so, discover a naturally-sized holographic body that reacts to light “

Lawrence Malstaf (Belgium) – Overview

“The” Overview “installation alludes to the strong emotional reaction that astronauts felt when observing the planet Earth from space for the first time ( overview effect). It consists of a large motorized video screen that can slowly move, tilt and rise. “

One Life Remains: André Berlemont, Kevin Lesur, Brice Roy & Frank Weber (France) – Les disciplines du rectangle

“The disciplines of the rectangle is an interactive installation composed of screens, each containing a webcam and speaker. One player is positioned in front of one of the screens. The viwer’s body is detected and a virtual rectangle is drawn around it. The goal is to stay within the rectangle without touching the edges. “

Teun Vonk (Netherlands) – The Physical Mind

“The physical mind allows participants to experience the relationship between their physical and mental states by applying physical pressure to the body. The installation consists of two inflatable objects between which a participant is allowed to be erected and gently squeezed between the curves of the objects “

Thom Kebli (Germany) – Black Hole Horizon

“Horizon black hole is a mediation in a spectacular machine that transforms sound into three-dimensional objects and keeps space in constant transformation. The core of the facility is the invention of a vessel horn-like device. With the sound of each tone, a huge soap bubble emerges from the horn. “

I believe that much of my “dissatisfaction” with this year’s edition is due to its location and the organization that organizes it. SESI / FIESP (Federation of Industries of the State of São Paulo) and its president Paulo Skaf defend beautifully that “Sesi São Paulo has always followed the evolution of the arts, opening space for its most diverse manifestations, in the most varied formats. In the condition of an of the most important cultural promoters in the country, the organization has offered support and innovative initiatives capable of attracting new audiences and renewing the interest of traditional audiences. ” It should be pointed out here that FIESP was one of the great supporters of the 2016 impeachment that divided the country. The large building on the Paulista Avenue that was once referred to as a large led panel used exclusively for artistic manifestations – called a digital gallery- in a “clean city” where large advertisements are prohibited (Billboards) was used to promote personal desires of the institution. I do not want to delve here in the discussion of impeachment, but with this positioning, the FIESP imposed itself without respecting the differences of speeches and voices.

I believe that by promoting these artistic events (the largest and most popular), is not only a way to pay fewer taxes for “returning something to the community”, it still brings a positive image to the entity. In this 2017 version, the event presented multimedia exhibitions, in which visitors would be able to meet different and unusual cultural manifestations from Brazil and the world. However, I did not see any works by Brazilian artists in the animations- and we have a great national scene focused on digital art. Unfortunately, I felt that this edition of FILE perhaps evoked personal feelings and “deceived” the viewer, turning a blind eye to the political issues around us that still need to be discussed by art. With the political instability, this is a still very sensitive moment for us Brazilians and the division promoted by impeachment still lingers in the city of São Paulo. These large institutions and festivals are shallow and try without success to show the image that ‘all is well’. Perhaps this FILE was a great alienation to me.

We are all alright.

Português:

Nos meus dias por São Paulo eu aproveitei para ver a decima oitava edição do FILE São Paulo 2017 (Festival internacional de linguagem eletrônica). Este é um festival conhecido no circuito da arte paulistana, pois pelo seu valor (de graça) e sua localização (no meio da Avenida Paulista). Ele apresenta a proposta de trazer para um grande publico obras que exploram as possibilidades na junção de arte e tecnologia, disponibilizando desde instalações interativas ou contemplativas até animações e jogos de videogame. Pode-se dizer que este festival é responsável pela democratização da arte digital e a valorização da arte e tecnologia que ainda hoje, no Brasil e no mundo, ainda é colocada à margem do cenário artístico contemporâneo.

Em edições anteriores eu classifiquei este festival como a “Disneylândia paulistana da arte e tecnologia”, cheio e muito atrativo para o publico com o interesse de “apertar botão”, “tirar selfie” e “interagir de qualquer forma”. Muitas vezes o festival não se preocupa em construiu uma relação entre publico, arte e os interesses artísticos ou sociais dos trabalhos. Se torna um mero entretenimento. Mas mesmo assim, não posso negar a importância de que os trabalhos artísticos sejam vistos pelo máximo de pessoas possível e se a arte for boa confio que tocará o publico em algum nível e despertará o interesse à pesquisa. Será este um desejo muito utópico para a arte no geral?

Nesta edição o festival apresentou 360 trabalhos de artistas o mundo todo espalhado pela cidade de São Paulo e ainda levou obras para duas cidades fora do circuito Rio/ São Paulo: Vitória – ES e São Luiz – MA. Ele trouxe como tema: O Borbulhar de Universos e apresentou a curadoria de Paula Perissionotto e Ricardo Barreto. No texto curatorial colocado no folheto da exposição e no site os curadores defendem que:

“Com o surgimento das redes existe hoje uma multiplicidade de eventos nunca vistos até então. A proliferação desenfreada de informação se da numa escala gigantesca. A produção de dados nos leva a arquivamentos sem precedentes, o que demanda a criação de milhares de dispositivos de inteligência informacional conectados entre si. Há um aumento exponencial de informações que envolve a todos num fluxo incessante e arrebatador de conceitos, de imagens, de opiniões, de desejos. Ninguém está imune a esta contaminação. Nenhuma disciplina se mantem em seus limites. A proliferação de mundos e tendências nos arrebata numa pluralidade indeterminada. Tudo e todos estão inflando-se como uma gigante vermelha prestes a explodir. O universo outrora imenso e sim fim torna-se pequeno diante do multiverso. Vivemos na época do borbulhar de universos” 

Eu pessoalmente senti que este ano de festival as coisas estavam mais contemplativas com menos obras que exigiam uma interação direta do espectador, além de sentir o espaço principal do festival “vazio”, chegando até a ser um pouco melancólico. Esta exposição me fez questionar muito a relação do texto curatorial com o evento em si, o quanto os dois se complementam, e o quanto ele é apenas uma “justificativa qualquer”. Diferente do que foi colocado no texto acima, eu não percebi nenhuma discussão a respeito da quantidade de dados e de formulações de universos distintos, mas sim muitas referências ao nosso Universo. Senti quase que um elogio ao humano com obras que “respiram”, “sentem vergonha” do seu lado ruim, roupas que foram feitas com base nos nossos sistemas corpóreos, além de obras que te incentivam a se “encaixar” em um padrão ou que propõem uma consciência corporal humana. A obra que mais me chamou atenção é uma escultura que apresentou a visualidade efêmera do som por meio de bolhas de sabão.

Talvez o que mais me remeteu ao borbulhar de universos tenha sido as inúmeras telas e óculos de realidade virtual, o que na verdade acaba por engajar tanto o espectador que o transporta para outro lugar em uma experiência individual, fazendo com que o espectador tenha uma nova relação do o espaço, o tempo e seu corpo. 

Algumas obras que se destacaram:

Amy Karle (USA) – Internal Collection

“As seleções da “Internal Collection” representam a anatomia interna em forma vestível externa. Fundido anatomia, moda e tecnologia, cada peça é criada a mão  e com tecnologias de fabricação digital”

Daniel Jolliffe (Canadá) – Perfect View

“Perfect View” é uma escultura interativa que personifica os desejos humanos de sempre mostrar o seu melhor lado para os outros. O espectador encontra um vaso gravemente danificado e quando se aproxima da peça, o vaso começa a girar, ajustando a sua posição de modo a sempre mostrar uma visão do seu lado não danificado”

Dorette Sturm (Holanda) – The Breathing Cloud

“The Breathing Cloud” é um organismo flutuante monumental. A obra transforma o espaço pelo seu movimento, luz e respiração rítmica. A tecnologia é projetada para que os fortes módulos de LED e o mecanismo deem apoio a respiração difusa. Ela fica fisicamente maior e menor, e abraça com o seu espaço de luz brilhante”

Gwendaline Bachini (França) – Animo#2 – Flux

“Animo#2 – Flux” é a segunda instalação interativa do ciclo ANIMO. Ela é configurada como uma gaiola de luz holográfica. Os visitantes são convidados a manipular a lanterna e, ao fazê-lo, descobrem um corpo holográficode tamanho natural que reage a luz”

Lawrence Malstaf (Belgica) – Overview

“A instalação “Overview” alude à forte reação emocional que astronautas sentiram ao observar o planeta Terra do espaço pela primeira vez (efeito overview). Ela consiste em uma grande tela de vídeo motorizada que pode lentamente se mover, se inclinar e se elevar”.

One Life Remains: André Berlemont, Kevin Lesur, Brice Roy & Frank Weber  (França) – Les disciplines du retangle

“As disciplinas do retângulo é uma instalação interativa composta por telas, cada uma contendo uma webcam e alto-falante. Um jogador se posiciona na frente de uma das telas. Seu corpo é detectado e um retângulo virtual é desenhando em torno dele. O objetivo é ficar dentro do retângulo sem tocar nas bordas”.

Teun Vonk (Holanda) – The Physical Mind

“A mente fisica deixa que os participantes experimentem a relação entre seus estados físicos e mentais aplicando pressão física ao corpo. A instalação consiste em dois objetos infláveis entre os quais um participante deixa-se para posteriormente, ser erguido e suavemente espremido entre as curvas dos objetos”

Thom Kebli (Alemanha) – Black Hole Horizon

“Horizonte buraco negro é uma mediação em uma máquina espetacular que transforma o som em objetos tridimensionais e mantém o espaço em constante transformação. O núcleo da instalação é a invenção de um aparelho semelhante a uma buzina de navio. Com o som de cada tom, uma enorme bolha de sabão emerge da buzina”.

Acredito que grande parte da minha “insatisfação” da edição deste ano é devido ao local e a entidade que o organiza. O SESI/ FIESP (Federação das industrias do estado de são paulo) e seu presidente Paulo Skaf defendem lindamente que “O Sesi São Paulo sempre acompanhou a evolução das artes abrindo espaço para suas mais diversas manifestações, nos mais variados formatos, na condição de uma das mais importantes fomentadoras de ações culturais no país, a entidade tem oferecido apoio e iniciativas inovadoras, capazes de atrair novos publico e renovar o interesse das plateias tradicionais”. Deve ser colocado aqui que a FIESP foi um dos grandes apoiadores do impeachment de 2016 que dividiu o país. O grande prédio na Avenida Paulista que antes era referencia por ser um grande painel de led usado exclusivamente para manifestações artísticas – chamado de galeria digital, em uma “cidade limpa” em que são proibidas grandes propagandas (Billboards) foi usado para promover os desejos pessoais da instituição. Não quero entrar aqui na discussão do impeachment, mas com esta posição a FIESP impôs o seu posicionamento político sem respeitar as diferenças de discursos e vozes.

Acredito que promover este tipo de evento artístico, maiores e mais populares, além de ser uma forma de pagar menos imposto por “devolver algo para a comunidade” ainda traz uma mídia positiva para a entidade. Paulo Skaf ainda como que : “Em sua versão de 2017, o evento apresenta exposições multimídias, nas quais os visitantes poderão conhecer diferentes e inusitadas manifestações culturais do Brasil e do mundo” eu não vi nenhum trabalhos de artistas brasileiros em destaque, apenas compondo as animações- e nós temos uma grande cena nacional voltada arte digital. Infelizmente eu senti que esta edição do FILE trouxe talvez a função de evocar os sentimentos pessoais e “ludibriar” o espectador, fechado os olhos para as questões políticas do nosso redor que ainda precisam ser discutidas pela arte. Com a instabilidade politica este é um momento ainda muito sensível para nós brasileiros e a divisão promovida pelo impeachment ainda se mantém na cidade de São Paulo. Estas grandes instituições e festivais são superficiais como uma imagem não muito bem-sucedida de que está tudo bem. Talvez esse FILE tenha representando para mim uma grande alienação.

Estamos todos bem.

 

 

Advertisements

One thought on “Digital Bubbling?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s