Today my friend was hospitalized

English:

Earlier this month a very close friend had a sequence of nervous breakdowns. In the midst of these crises, before we became aware of the gravity of the situation, we spoke on the phone, and I felt the conversation was disconnected. In the short connection, she called herself an ‘artist’ sometimes. I know she was in a delicate situation, but this conversation made me feel a bit uncomfortable because I consider her work more in the field of communication, politics, and entertainment than art (she has a great Youtuber). But this text is not about what I consider to be art or what the artist is. This made me reflect on her few words referring to the artist’s need to share intimacy, anguish, illness and to be acclaimed by them, (she said that ‘every artist needs audience and stage’) , thus giving continuity to the stereotype of the ” crazy artist “,” depressive artist “,” genius artist”.

Firstly, I must say that it is common knowledge that living with art is not easy, but I do not believe in the “crazy artist” stereotype. I think that this invalidates the whole process of study, research, and production of the artist, placing it in a category of “extraordinary” and denying its everyday virtues as a worker. Even if an artist has been diagnosed with some psychological illness, this does not mean that his production does not go through a dense period of reflection, study, and execution.

Shortly before we talked I had spent a few days in Cascais – Portugal and visited the Casa das Histórias: Paula Rego Museum. There was going to the exhibition Paula Rego: Stories and Secrets, a collection that portrays the artist’s trajectory guided by the documentary that her son Nick Willing made this year for the BBC.

Paula Rego, is a renowned Portuguese artist based in London, is now 82 years old and in the documentary tells her story honestly, in the way she wants it to be told. It is a very intimate story and according to her son, it is necessary to know everything she has gone through to deeply understand how her artwork is done.

In her drawings, paintings, drawings, and sculptures, she addresses political and global issues along with extremely personal expressions and imagery. She represents every day, family and personal problems of stories heard and lived, since her environment was extremely masculine. She likes to say that she is not an artist, she is not a painter, but she makes dolls, that means she does what she wants, without having to name it “art”. Paula feels free to paint whatever she wants, like a child exploring and portraying the life of a Portuguese woman in London, a woman in a world of men. Perhaps, one of the great characters of his work is his late husband Vic Willing and the daily life they had together.

In the documentary, Nick presents reports of his mother who “has always been a very self-assured woman, glamorous, almost like a movie star”, but in her intimate is an extremely shy person who had always suffered from depression. In 2007 the artist suffered a severe crisis and made 12 canvases with chalk, portraying herself as an “isolated, frightened, paralyzed” woman trying to get out of the state of depression through art and drawings. With much shame of this illness these paintings spent many years hidden, but according to her son, she was also afraid that when revising these pictures she regained the feeling. In the documentary, she recounts that she feels better in conveying negative feelings in works, but that painting does not completely take away her anguish and fears, it is not like an exorcism of the devil. But it helps her to live with the devil, perceiving things in a different way. These drawings were only made public this year along with the release of the documentary.

IMG_6378.jpg

ng8369377ng8369382ng8355444Paula-Rego-Depression-Series-Nine-2007-pastel-on-paper-68.5-x-101.5-cm-Copyright-Paula-Rego-Courtesy-Marlborough-Fine-Art-London-1024x681

A number of other artists have also used the creative process and the artistic action as a form of intimate expression of their being, with the intention of even trying to find exits to overcome complicated phases. I can not help briefly mentioning the ‘Bed’ and other Trace Emin’s work, in which the center of her work was her personal life and intimate experiences as a woman. Louise Borjois, who identified herself as hysterical and did a series of works with this theme, said that psychoanalysis did not serve, therefore, being an artist needs a hint of suffering, in the midst of many of her anxiety, attacks the act of drawing calmed her down. Frida Khalo produced many of her self-portraits in moments of extreme loneliness and suffering. And Marina Abramovic spends and gives his body and soul to the limit seeking spirituality and self-knowledge in several of his performances, especially in the documentary Espaço Além (2015).

In my perception, the work of these artists is related to the confused words of my friend by the expression of an intimate process exposed by an artistic act. But were these works made to be seen or just to “leave” artists, as a form of a need for expression or catharsis? But really, what is the value of an artwork if it is not made public?

After encountering the deep, personal and intimate works of Paula Rego, I felt the desire to enter into my own fears, ghosts, and diseases and put them to the public. I suffer from anxiety, I have been through some crises. I am not diagnosed, I have tried many therapies that have not worked for me, I do not take any medicine and I have to deal with anxiety normally. But I bite my nails and fingers to the point of having several calluses because of the “bites”. I did them when I’m going through tense situations, I feel very ashamed of it and try not to draw too much attention to my hands. But inspired by Paula Rego I did a sequence of 3 photos and I posted them on Instagram- for everyone- trying to turn my intimate into the public. In the photos, I also felt as if my hand and my fingers were tied, bound as if I had no control over exposure. The moment I posted I felt extremely ashamed, but I also felt a brief satisfaction of having achieved this.

Captura de Tela 2017-08-10 às 21.23.32.png

I would like to put my soul and my heart into work, but I feel it involves a long journey of self-acceptance.

In the same the week that we talked my friend was hospitalized in a hurry. After spending a long week in the hospital she was diagnosed with severe bipolarity, is medicated and today is well.

As I write this text my nails are almost to the bone.

Português: 

No começo deste mês uma amiga muito próxima teve uma sequencia de surtos psicóticos. No meio dessas crises, antes de termos o conhecimento da gravidade da situação conversamos, senti a conversa meio desconexa,e  na curta ligação ela se intitulou artista algumas vezes.  Sei que ela estava em uma situação delicada, mas esta conversa me deixou um pouco desconfortável pois eu considero o seu trabalho mais do ramo da comunicação, da politica e do entretenimento do que da arte (Ela tem um grande canal no Youtube). Mas esse texto não é sobre o que eu considero arte ou o que é o artista. Me fizeram refletir suas poucas palavras referentes a necessidade do artista de dividir o íntimo, as angústias, as doenças e de ser aclamado por elas, (ela disse que todo artista precisa de platéia e palco), dando assim, continuidade ao estereótipo do “artista louco”, “artista depressivo”, “artista genial”. 

Primeiro, preciso colocar que é de comum saber que viver com a arte não é nada fácil, mas eu não acredito no estereótipo do artista “Louco”. Eu acho que isso invalida todo o processo de estudo, de pesquisa e de produção do artista, colocando-o numa categoria de “extraordinário” e negando suas virtudes cotidianas de trabalhador. Mesmo que algum artista tenha sido diagnosticado com alguma doença psicológica isso também não significa que a sua produção não passe por um período denso de reflexão, estudo e execução. 

Pouco tempo antes de conversarmos eu tinha passado alguns dias em Cascais – Portugal e visitei o museu Casa das Histórias: Museu da Paula Rego. Lá estava acontecendo a exposição Paula Rego: Histórias e Segredos, uma coletânea que retrata a trajetória da artista guiada pelo documentário de seu filho Nick Willing feito este ano para a BBC.

Paula Rego, uma renomada artista portuguesa radicada em Londres, hoje tem 82 anos e no documentário conta sua história honestamente, da maneira com que ela quer contar. É uma história muito íntima, e segundo seu filho, é necessário saber por tudo que ela passou para entender profundamente como é feito seu trabalho artístico. 

Em seus desenhos, pinturas, recortes e esculturas, aborda assuntos políticos e globais junto com expressões e figuras extremamente pessoais. Ela representa o cotidiano, os problemas familiares e pessoais de histórias ouvidas e vividas, já que seu ambiente era extremamente masculino e machista.  Ela gosta de dizer que não é artista, não é pintora, mas sim faz bonecos, isso significa que ela faz o que tem vontade, sem ter a obrigação de nomear “arte”. Paula se sente com a liberdade de pintar o que quiser, como uma criança explorando e retratando a vida de uma mulher portuguesa em Londres, uma mulher em um mundo de homens. Talvez, um dos grandes personagens de seu trabalho é seu falecido marido Vic Willing e o cotidiano que eles tinham juntos.  

No documentário Nick apresenta relatos de sua mãe que “sempre se mostrou uma mulher muito segura, glamorosa, quase que como uma estrela de cinema”, mas que em seu intimo é uma pessoa extremamente tímida que sempre sofreu de depressão. Em 2007 a artista sofreu de uma forte crise e fez 12 telas com giz, retratando-se como uma mulher “isolada, com medo, paralisada”, tentando sair do estado da depressão por meio da arte, dos desenhos. Com muita vergonha dessa doença esses quadros passaram muitos anos escondidos, mas segundo seu filho ela também tinha medo de que ao rever esses quadros ela retomasse o sentimento. No documentário ela relata que se sente melhor ao transpor sentimentos negativos em trabalhos, mas que a pintura não tira completamente suas angustias e medos, não é como um exorcismo do diabo. Mas sim ajuda ela a conviver com o diabo, percebendo as coisas de um jeito diferente. Estes desenhos só foram tornados a público este ano junto com o lançamento do documentário.

Uma série de outras artistas também usaram o processo criativo e o fazer artístico como uma forma de expressão íntima do seu ser, com o intuito até de tentar encontrar saídas para superar fases complicadas. Não posso deixar de citar rapidamente a Cama e outros trabalhos da Tracy Emin, nos quais o centro do trabalho estavam sua vida pessoal e suas experiências intimas como mulher. Louise Borjois que se identificou como histérica e fez uma série de obras com esse tema, ela dizia que a psicanálise não servia, pois, o ser artista necessita de uma pitada de sofrimento, no meio de muitas de suas crises de ansiedade o ato de desenhar a acalmava. A Frida Khalo que produziu muito dos seus autorretratos em momentos de extrema solidão e sofrimento. E a Marina Abramovic que se espoe e entrega o seu corpo e alma ao limite buscando a espiritualidade e o autoconhecimento em varias de suas performances, em especial no documentário Espaço Além (2015). 

Na minha percepção o trabalho dessas artistas se relaciona com as palavras confusas da minha amiga pela expressão de um processo intimo exposto em um ato artístico. Mas será que estas obras foram feitas para serem vistas ou apenas para “deixarem” as artistas, como uma forma de necessidade de expressão ou catarse?  Mas realmente, qual o valor de um trabalho se não for tornado público?

Após me deparar com as obras profundas, pessoais e intimas da Paula Rego, senti vontade de adentrar nos meus próprios medos, fantasmas e doenças e colocá-los a público. Eu sofro de ansiedade, já passei por algumas crises, não sou diagnosticada, já tentei muitas terapias que não funcionaram para mim, não tomo nenhum remédio e tendo a lidar com a ansiedade normalmente. Mas eu rôo minhas unhas e dedos ao ponto de ter vários calos por causa das “mordidinhas” que me dou quando estou passando por essas situações, sinto muita vergonha disso e tento não chamar muito a atenção para minhas mãos. Mas inspirada pela Paula Rego eu fiz uma sequencia de 3 fotos e as postei no Instagram, assim para todos, tentando transformar o meu íntimo em público. Nas fotos também senti como se minha mão e meus dedos estivessem presos, amarrados, como se eu não tivesse mais controle da exposição. No momento que postei senti extrema vergonha, mas também uma breve satisfação de ter conseguido.

Gostaria de colocar mais a minha alma e meu íntimo nos trabalhos, mas sinto que isso envolve uma longa jornada de auto aceitação. 

Na mesma semana em que conversamos minha amiga foi hospitalizada às pressas. Após ficar longas semanas no hospital ela foi diagnosticada com bipolaridade grave, está medicada e hoje passa bem.

Enquanto escrevo esse texto as minhas unhas estão em carne viva.

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s