The Lumen Prize 2016

English:

Online the Gallery in 2016

In the constant attempt to understand how art and technology relates in the English scene in 2016, I came across The Lumen Prize, an annual competition which began in 2013, and is focused on the celebration of the best in digital art. This award helps to understand art and technology through symposiums organization, artists lectures, seminars and workshops and is dedicated to building a movement and a network of contacts and opportunities for artists in this field.

The event happened in two days. In the first, we had a symposium with an overview of the relevant issues of the year concerning art and technology with several tables of discussions and speeches by the artists chosen for the award. On the second day, a little more relaxed, we visited the exhibition of the winners and experienced different realities sets along with an informal talk with artists and theorists about the technology advances and virtual reality.

In general, the reflections about the event made me question the relationship between nature and technology. Some artists were concerned about issues of the importance of shared experience that end up getting ignored with the advancement of new technologies, as well as questions about the natural image and the ones made by the computer. I identified myself with the speech of the artists because, I also believe that the power of art is to show and expose viewers to situations that end up being forgotten or undervalued in today’s world, it is important to propose a new way to look the world around us, creating new contexts and reflections. In the artistic process, I believe is also true incorporating the naive character, in order to play with ideas, trying even to play with huge technological processes as virtual realities or interactivity, but from a simple and playful source, like in a child’s play. 

The concept and ideas come first, and then we proceed to the technology, technique, and materials. Concepts such as interactivity, virtual reality or augmented reality are new processes that delight, but at the same time must be used critically. These processes are powerful media with deep immersive power that can change the user`s perception presenting new possibilities for the world, and this is being critical. The role of the artist in society is to provoke, push buttons, make people think, reflect and experience.

The first table of the symposium was dedicated to Virtual Reality in Contemporary Art. Virtual reality is completely immersive but is still a completely individual experience without sharing. But we might ask if it wouldn`t be a new way of being collective?  The world presented in virtual reality is somehow still inspired by the world around us, but physically it is made only by binary codes, numbers. Perhaps the augmented reality has this mixture profile, bringing the experiences of community within the digital world.

The advances in technology may really stimulate the human senses, and may even create new senses. But it is important that the viewer is not passive in front of a screen, but feel actually this, understanding his body and its role in the physical world. Understand our bodies and time out of the digital universe, be loving with our feelings, immersed ourselves in meditation, speaking and acting from the heart and above all understanding that life is not a game that can be seen through the window of a screen. I am here writing and being idealistic as if everyone had access to this technology and are living with more immersive virtual reality devices than in the real world. These devices are not yet democratic and easily accessible, but on second thought, we may be already in it when we do not look at to other people anymore, immersed in our mobiles? 

Perhaps all this is a way of trying to protect ourselves from the fear and insecurity of a deeper dive into ourselves? With no gimmicks or shortcuts? Pure nature presents us these questions about the occult, the unexpected, fear, phantasmagoria. She was here before us and will be many years later. Maybe it’s the our fear to realize that we are ephemeral, impermanent.

On the table dedicated to the digital market about galleries, collectors and curators discussed some specific strategies for sale. There are few galleries that work with video and digital because the processes are still being built. For videos, it is important that the gallery has a version of better quality and the final version of the video, along with a certificate of authenticity and a guarantee that the gallery provides. Limited editions are also well received. The gallery is also responsible for validating a status and provide an aura to the work and artists, but is it still necessary? Are we not heading for a path in which the artist can sell and exhibit on their own? Being fully responsible for their work and respected for it? The digital asks for a whole new mechanism of information. For the digital market become more recognized there must have an education in galleries, buyers, and spectators about how to present and preserve digital formats – issues such as obsolescence are very worrying for the market. But why do we have to continue with this idea that everything lasts forever? Eternally?

It is logic that the sale of a work of art is related to the concept and the context that it was created, and not only with the materials and objects that the artist used. But even so the tip for artists who only work with digital and with things not physically tangible is to create strategies to make the market feel safe with that work, as something that might be salable and valued after years. Who still gives validity is the gallery or a respected institution. It is an investment.

The final table was about digital art in the public sphere. Many themes were approached, such as technology as a possible way to build connections between the environment and the city. This kind of art has to take into consideration the people and community in which it is working.

interesting artists:

Iain Nicholls

3D environments; Virtual reality handmade from his own paintings and textures; Bringing the very physical work for the virtual environment; Virtual Reality with frames of real objects; Painting X Virtual Reality; Handmade X machines. Technological and unpretentious art, like a child’s play.

Matteo Zamagni

Italian; multimedia artists using video, 3D and motion picture; Abstraction of nature; Research in fractal world, microscopic, and organic structures; visualizing the invisible, how to build and represent? Art has to be political and critical of what is currently happening in the contemporary; People are very disconnected from your time/ countryside; The virtual is an abstraction of the natural.

@boredomresearch

They work with light and shadow and natural worlds mechanisms; complex systems, natural tendencies, ephemerality, codes, randomized, single; thinking time with a new context of slow team; New data visualization experiments; culture views

Carla Chan

Chinese. Video with digital manipulation; obsessed by nature – the great mystery that is scary at the same time delights; unknown; mysterious; Apparatus that only shoot whenIt’s windy. Participated in E / M / D / L; Understand nature as a sequence of textures and patterns, unpredictable. Never equal – Noise.

Gazelling Art House

Victoria Al-Din – Gallery focused on collectible part of digital online artistic residence – a focused site to introduce digital

 

 

Captura de Tela 2016-10-09 às 19.29.32.png
‘Bullshit said with confidence becomes the truth’ Rachel Ara, 2016, RWA Bristol

 

 

LUMEN01.jpgLUMEN02.jpg

         image2.JPG

Xenorama 

image3.JPG

Flown

12f54b38cada50add5c70e10d2e515c46e5b4758.jpg

CARLA CHAN HO CHOI

Português: 

Galeira online 2016

Na constate tentativa de entender a respeito de como se relacionam arte e tecnologia no cenário inglês de 2016, me deparei com o The Lumen Prize, uma competição anual que começou em 2013 focado celebrar o melhor da arte digital. Esse prêmio contribui para o entendimento da arte e tecnologia através da organização de simpósios, fala de artistas, seminários e workshops e se dedica a construir um movimento e uma rede de contatos e oportunidades para os artistas da área. 

O evento aconteceu em dois dias no primeiro aconteceu um simpósio sobre o panorama dos assuntos relevantes do ano a respeito de arte e tecnologia com várias mesas de discussões e falas de artistas escolhidos pelo prêmio. No segundo dia, um pouco mais descontraído, visitamos a exposição dos premiados e experimentamos diferentes aparelhos de realidade junto com uma fala informal de artistas e teóricos da área a respeito dos avanços de tecnologia e realidade virtual.

No geral as reflexões sobre o evento me fizeram questionar a relação entre natureza e tecnologia, alguns artistas colocaram em pauta questões a respeito da importância de experiência compartilhada que acabam ficando de lado com o avanço das novas tecnologias, assim como questões a respeito da imagem natura e feita por computador. Me identifiquei com a fala dos artistas, pois também acredito que a potência da arte está em mostrar e expor os espectadores ás situações que acabam ficando esquecidas ou desvalorizadas no mundo contemporâneo, é importante propor uma nova forma de olhar e contemplar ao redor, criando novos contextos e reflexões. No processo artístico acredito ser valido também a incorporação do carácter ingênuo, brincando com as ideias, experimentando, até grandes processos tecnológicos como realidades virtual ou interatividade podem partir de algo simples, lúdico, assim como brincadeira de criança.

Primeiro vem o conceito, as ideias e depois vem a tecnologia, a técnica e os matérias. Conceitos como interatividade, realidade virtual ou aumentada são processos novos que encantam, mas ao mesmo tempo precisam ser usados criticamente, esses processos são mídias poderosas com o poder de imersão profunda que podem mudar a percepção dos usuários apresentando novas possibilidades de mundo, isso é ser crítico. O papel do Artista na sociedade é de provocar, apertar botões, fazer as pessoas pensarem, refletirem e experimentarem. 

A primeira mesa do simposio foi voltada a Realidade Virtual na Arte contemporânea. A realidade virtual é completamente imersiva, mas ainda é uma experiência totalmente individual, sem o compartilhamento, mas ao mesmo tempo será que ela não propõe uma nova forma de coletivo? O mundo apresentando na realidade virtual são de uma forma ainda inspirados no mundo ao nosso redor, mas fisicamente são apenas códigos binários, números. Talvez a realidade aumentada tenha esse perfil de mistura, trazendo a vivencia em comunidade dentro do mundo digital.

Os avanços das tecnologias e as experiências realmente estimulam os sentidos humanos, podendo até criar sentidos novos. Mas é importante que o espectador não fique apenas passivo diante de uma tela, mas sim se sinta presente, entender o seu corpo e seu papel no mundo físico. Entenda o nosso corpo e tempo fora do universo digital, ser amoroso com as suas sensações, imerso em si mesmo, na meditação, falar e agir com o coração e com o coração e acima de tudo entender que a vida não é um jogo que pode ser vista através de uma janela, de uma tela. Estou aqui escrevendo e generalizando um pouco as ideais, como se todos já tivessem acesso a essa tecnologia e estivessem vivendo mais imersivos em aparelhos de realidade virtual do que no mundo real esses aparelhos ainda não são democráticos e de fácil acesso, mas pensando bem, já não estamos caminhando para isso quando não olhamos mais para as outras pessoas e ficamos imersos em nossos aparelhos celulares?

Talvez tudo isso seja uma forma de tentar se proteger do medo e da insegurança de uma entrada mais profunda em nós mesmo? Sem artifícios ou atalhos? A natureza pura apresenta essas questões a respeito do oculto, do inesperado, do medo, da fantasmagoria. Ela estava aqui antes de nos e estará muitos anos depois, talvez tudo isso seja o medo de nos darmos contas de que somos efêmeros, impermanentes.

Na mesa voltada ao mercado da arte digital a respeito de galerias, colecionadores e curadores estratégias foram abordadas algumas estratégias próprias para venda. Ainda são poucas as galerias que trabalham com vídeo e arte digital , pois os processos ainda estão se construindo. Para o vídeo, é importante que a galeria tenha uma versão de melhor qualidade e final do vídeo, junto com um certificado de autenticidade e de uma garantia que a galeria provem,  edições limitadas também são bem vistas. A galeria ainda é responsável por validar um status e prover uma áurea à obra e aos artistas, mas será que isso ainda é necessário? Será que não estamos seguindo para um caminho em que o artista consegue vender e apresentar por conta própria? Ser totalmente responsável pelo seu trabalho e respeitado por isso? A arte digital pede todo um novo mecanismo de informação, para o mercado da arte digital ficar mais reconhecido é preciso ter uma educação das galerias, compradores e espectadores a respeito de como apresentar e preservar a arte digital, questões como a de obsolescência são muito preocupantes para o mercado. Mas porque temos que continuar com esse idéia de que tudo tem que ser para sempre? eterno. 

Logico que a venda de uma obra de arte está relacionado ao conceito e contexto de que ela foi criada e não só aos materiais e objetos que o artista usou. Mas mesmo assim a dica para os artistas que só trabalham com o digital, com coisas não palpáveis fisicamente é criar estratégias para o mercado se sentir seguro com aquele trabalho, como algo que seja vendável e valorizado depois de anos. Isso ainda quem validade é a galeria ou uma instituição respeitada. É um investimento.

A última mesa foi a respeito de arte digital na esfera pública foram abordados temas com como a tecnologia como possível forma de construir conexões entre o ambiente e a cidade. Esse tipo de arte tem que levar em consideração as pessoas e comunidade em que se esta trabalhando.

Artistas interessantes: 

Iain Nicholls

Ambientes 3D; Realidade virtual feita à mão a partir de suas próprias pinturas tintas e texturas; Trazendo os próprios trabalhos físicos para o ambiente virtual; Realidade Virtual com fotogramas de objetos reais; Pintura X Realidade Virtual; Feito a Mão X Maquina. Tecnologia e arte despretenciosa, como uma brincadeira de criança. 

Matteo Zamagni

Italiano; Artistas multimídia que usa vídeo, 3D e imagem em movimento; Abstração da natureza; Pesquisa no mundo fractal e estruturas microscópicas e orgânicas; visualizando o invisível, como construir e representar? A arte tem que ser política e crítica do que está acontecendo atualmente no contemporâneo; As pessoas estão muito desconexas do seu tempo/ espaço natural; O virtual é uma abstração do natural. 

@boredomresearch

Trabalham com a luz e a sombra e com mecanismos de mundos naturais; sistemas complexos, naturais tendências, efemeridade, códigos e randômico, único;  pensando o tempo com um novo contexto de slow time;  Novos experimentos de visualização de dados; cultura da visualizações 

Carla Chan  

Chinesa. Vídeo com manipulação digital; obcecada pela natureza – grande mistério que dá medo ao mesmo tempo encanta; desconhecido; misterioso; Aparato que só filma quando tem vento. Participou do E/M/D/L; Entende a natureza como uma sequência de texturas e padrões , imprevisível. Nunca igual – Noise.

Gazelling Art House 

Victoria Al-Din – Galeria focada na parte colecionável da arte digital

Residência artistica online  – um site focado em apresentar arte digital

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s